UCT Digital

Home » UCT Digital » Colunistas » Dicas para passageiros do transporte coletivo – parte II

Colunistas

07/08/2017
Dicas para passageiros do transporte coletivo – parte II

João Rodolfo de Sousa

Manter a segurança no  transporte público não é apenas a responsabilidade do profissional que conduz o veículo, mas, também, de cada cliente.

Na publicação anterior, abordei os cuidados no momento do embarque. Neste artigo, vou destacar as dicas para se comportar dentro do transporte coletivo.

Fale com o motorista somente o indispensável

Durante minhas idas e voltas para trabalho, estudo, lazer etc., vejo muitos clientes tentando influenciar os motoristas com frases como: “Vai mais rápido!”; “Passa aquele ônibus!”;  “Ninguém para nesse semáforo!” “Abra a porta para eu descer aqui mesmo!”

Mas, se um acidente acontece, será que os mesmos incentivadores do erro assumem sua parcela de culpa?

O motorista fica atento a vários detalhes enquanto dirige: trânsito, sinalizações, carros, pedestres, movimentos dos clientes dentro do ônibus, painel do veículo, barulhos que podem indicar algum defeito, etc.

Por isso…

Evite discussões.

Tirar a atenção do motorista enquanto ele dirige é um risco enorme!

Estimular o condutor a não parar no(s) próximo(s) ponto(s), porque você está com pressa.

Isso tira o direito de quem está esperando escolher se quer, ou não, entrar no ônibus. E ainda, o motorista pode sofrer punições por não ter parado no ponto.

Deixe o telefone celular no modo silencioso. Faça uso do fone de ouvido.

Converse num tom baixo para não distrair o motorista ou tirar a tranquilidade das outras pessoas.

O que diz a lei

“A pessoa transportada deve sujeitar-se às normas estabelecidas pelo transportador, constantes no bilhete ou afixadas à vista dos usuários, abstendo-se de quaisquer atos que causem incômodo ou prejuízo aos passageiros, danifiquem o veículo, ou dificultem ou impeçam a execução normal do serviço.”

Código Civil (Lei nº 10.406/ 2002)

“O usuário dos serviços de que trata este Decreto terá recusado o embarque ou determinado seu desembarque, quando…:

  • I – não se identificar quando exigido;
  • II – em estado de embriaguez;
  • III – portar arma, sem autorização da autoridade competente específica;
  • IV – transportar ou pretender embarcar produtos considerados perigosos pela legislação específica;
  • V – transportar ou pretender embarcar consigo animais domésticos ou silvestres, sem o devido acondicionamento ou em desacordo com disposições legais ou regulamentares;
  • VI – pretender embarcar objeto de dimensões e acondicionamento incompatíveis com o porta-embrulhos;
  • VII – comprometer a segurança, o conforto ou a tranquilidade dos demais passageiros;
  • VIII – fizer uso de aparelho sonoro, depois de advertido pela tripulação do veículo;
  • IX – demonstrar incontinência no comportamento;
  • X – recusar-se ao pagamento da tarifa;
  • XI – fizer uso de produtos fumígenos no interior do ônibus, em desacordo com a legislação pertinente.”

Decreto nº 2.521/1998, de serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros, artigo 30.

Portanto, como passageiros, temos a obrigação em zelar pela paz dentro do transporte público durante a viagem.

Dicas para passageiros do transporte coletivo – parte III

jr
João Rodolfo de Sousa

Analista de Projetos Educacionais da UCT e pós-graduado em Gestão Estratégica de RH.