UCT Digital

Home » UCT Digital » Colunistas » A influência digital no trabalho

Colunistas

27/03/2018
A influência digital no trabalho

Vanessa Gil

Há quatro anos uma notícia chamava atenção: “Com 10 milhões de viciados em internet, China abre 400 centros de tratamento”. A maior parte deles foi enviada pelos próprios pais.

Pela primeira vez, em janeiro de 2018, a Organização Mundial de Saúde (OMS), declarou que o vício em games passou a ser considerado um distúrbio mental.

Somos incapazes de mensurar quantas horas no dia damos aquelas espiada nas redes sociais e no mundo pronto e disponível da internet.

Pensando no mundo do trabalho, em 2016 foi realizada outra pesquisa, e concluiu-se que o maior vilão da produtividade nas empresas é justamente o tempo em que os funcionários gastam no celular, na hora do expediente.

No nosso setor de transporte, talvez o mais preocupante seja utilização do celular na direção. Até porque os motoristas de ônibus estão, cada vez mais, mergulhados no universo digital, como você pode verificar em “Estudo mostra como rodoviários interagem com a tecnologia”.

Sabemos que o ônibus é uma microssociedade, e que os impactos de uma rápida verificada no celular podem ocasionar acidentes. O nosso cérebro leva alguns segundos para assimilar outra atividade simultânea ao ato de dirigir.

É a vida digital influenciando a vida real. Não estamos aqui atribuindo juízo de valor sobre a internet. Não é esta questão. Os avanços tecnológicos são imprescindíveis para a melhoria do nosso cotidiano.

O uso moderado e adequado das redes sociais e da tecnologia incluiu um novo olhar sobre as relações, pois elas encurtaram as distâncias e otimizaram as resoluções de problemas.

E, atualmente, essas inovações digitais, são ferramentas da Universidade Corporativa do Transporte nos treinamentos para os rodoviários, inclusive utilizando o Curso Online de Direção Defensiva.

É necessária uma conscientização pessoal sobre como EU estou usando o meu acesso à internet. Nossa atenção pode falhar e gerar prejuízos físicos. A dependência de se manter online não deve ser maior do que a nossa responsabilidade no trabalho.

Além de reduzir a produtividade, muitas vezes a tarefa necessita ser refeita, aumentando o custo para a empresa e o custo mental para o trabalhador.

No transporte rodoviário dificilmente ocorre o retrabalho. Há acidente e atropelamento. O resultado pode ser bem mais drástico.

Cada um de nós, motoristas e usuários, precisamos melhorar a nossa relação com o mundo real para não comprometermos a eficácia profissional.

A compreensão dos nossos limites deve ser estimulada, pois a urgência de viver não cabe em um “click”.

Fontes:

https://exame.abril.com.br/tecnologia/conheca-a-clinica-para-jovens-chineses-viciados-em-internet/

http://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2016/06/celular-lidera-lista-do-que-mais-atrapalha-produtividade-no-trabalho.html

https://g1.globo.com/bemestar/noticia/pela-primeira-vez-vicio-em-games-e-considerado-disturbio-mental-pela-oms.ghtml

20170115_201445_resized
Vanessa Gil

*Vanessa Gil é psicóloga e doutoranda em Ciências do Cuidado em Saúde pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com o foco em Saúde do Trabalhador e Doenças Ocupacionais. É professora convidada de Pós-graduação da Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa – UFF. É também autora de livros e relatora de trabalhos internacionais, com a temática “motorista de ônibus”.